Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

IZOTON - HUMOR

- Um blog de um brasileiro de Vila Velha-ES, elaborado em um Provedor português. Obrigado, Equipe SAPO! Este blog é feito com muito amor, e com muito humor. O meu lema: Viver a vida a sério, mas brincando. O meu objetivo: Fazer alguém sorrir.

IZOTON - HUMOR

- Um blog de um brasileiro de Vila Velha-ES, elaborado em um Provedor português. Obrigado, Equipe SAPO! Este blog é feito com muito amor, e com muito humor. O meu lema: Viver a vida a sério, mas brincando. O meu objetivo: Fazer alguém sorrir.

01.10.10

PIADA DE LISBOA


izoton

 

UMA PEQUENA FILA

Conta-se que Joaquim estava desempregado, e ele compareceu ao Centro de Triagem de Emprego, em Lisboa, para ver se conseguia alguma colocação. E ali ele leu um cartaz, que dizia: Precisa-se de Assistente de Ginecologista. Ele foi ao Balcão de Emprego, e disse:

— Por favor, me dê informações sobre esse trabalho...

E o funcionário Manuel lhe disse:

— Bom, esse trabalho de Assistente de Ginecologista consiste em preparar as pacientes para o exame ginecológico. O que você tem que fazer é simples, mas tem que ser executado com muito carinho. Você deve ajudar a paciente a se despir, e a lavar cuidadosamente as suas partes genitais. Depois você faz a depilação dos pelos pubianos da paciente, com um creme especial, e com uma gilete bem novinha. Feito isso você vai esfregar óleo de amêndoas doces na parte depilada da paciente, bem delicadamente, para que ela esteja pronta para ser observada pelo Ginecologista. Mas atenção, porque tudo isso tem que ser feito bem gentilmente, sem pressa, com muita delicadeza. Só tem duas vagas, e serão escolhidos os candidatos que forem mais elogiados pelas nossas pacientes...

E Joaquim lhe perguntou:

— E o qual é o salário?

E Manuel lhe respondeu:

— O salário mensal inicial é de 3.850 Euros.

E Joaquim lhe disse:

— Ora, por favor, me inscreva nesse emprego...

E Manuel lhe disse:

— Bom, mas o senhor tem que ir até Coimbra...

E Joaquim lhe perguntou:

— Pôcha, mas Coimbra fica a 250 Km de Lisboa... O emprego é lá?

E Manuel lhe respondeu:

— Não, meu amigo, o emprego é aqui mesmo, em Lisboa. O final da fila de Candidatos ao emprego de Assistente de Ginecologista é que está lá em Coimbra...

 

01.10.10

GÍRIA MARUJA


izoton

 

PEGA TUDO, MAS NÃO PEGA NADA

- Apresento algumas gírias mais usadas na Marinha do Brasil. Algumas delas já se incorporaram ao linguajar diário do povo. 

A bordo: estar na embarcação, ou na Organização Militar de Terra. 

Acochado: alguém protegido. 

Afogado: marinheiro que ainda não aprendeu a nadar. 

Apagado: pessoa devagar, lerdo de raciocínio. 

Apaisanado: militar com atitudes de civil. 

À pampa: estar de qualquer jeito, muito à vontade. 

A pé de galo: alerta, de plantão. 

Apertar a voga: determinar rigidez nas ações de trabalho.

Arrêgo!: demonstrar insatisfação.

Atracado: ligado, atento.

Bailéu: cadeia.

Baixar terra: sair do navio, sair do quartel.

Bizu: dica, receita de trabalho.

Boca-preta: dedo-duro.

Bola-sete: alguém que vive errando frequentemente.

Boysinha: mulher direita, de família, confiável.

Bravo Zulu!: excelente! O parabéns de Marinha.

Cabação: inexperiente.

Cachorro chora (tá): algo mal feito ou em más condições.

Campanha: companheiro de pelotão, de farda.

Cara safo: alguém esperto, que resolve tudo.

Carne monstro: carne cozida, com aspecto estranho.

Chaleira: baba-ovo, puxa saco.

Chão: qualquer ambiente fora do navio, fora da OM.

Chave de cadeia: tarefa que pode causar problema.

Chutar: desacatar ordem, trapacear.

Cocha: favorecimento, ajuda.

Dar um sentido, cobrir!: arrumar uma mesa, um compartimento.

Dar volta: mudar de idéia; cancelar uma atividade.

De agarra: algo largado por aí, ou feito de qualquer jeito.

De mulher: alguém que gosta de mulher.

De pau (estar de): estar de serviço.

Despreparado: alguém que não consegue desenvolver uma função.

Dispensado: algo não desejado, sem atrativo.

Emoção zero: manter-se calmo, indiferente.

É o que marca!: expressão que indica uma faina a ser executada.

Escamado: preguiçoso, que não gosta de faina.

Estaleiro: enfermaria.

Está pegando: indica problema.

Etapa: vez (na minha etapa: na minha vez). 

Faina: tarefa.

Faxina: qualquer tipo de faina.

Fazer guerra: implicar, caçoar.

Fazer ombro arma: levar alguma coisa de alguém, sem avisar.

Ferro: âncora.

Gateira: bolsa de levar roupa.

Geral de Bravo: convocação geral, para todos.

Granada: almôndegas.

Guerra: brincadeira, caçoagem.

Içado: marinheiro preso no quartel, para faxina.

Jacuba: suco, refresco de Marinha.

Macaquinho no cipó: macarrão com carne moída.

Malhado: alguma coisa ou alguém despreparado, ruim.

Manobra: ação com habilidade.

Maré: tudo tranqüilo.

Marear: enjoar (no navio).

Mel de coruja: limpeza rápida de um ambiente, arrumação.

Melhorado: boa comida (picado melhorado).

Miquimba: mulher que se oferece facilmente ao marinheiro.

Mulher de Cabo velho: bucho.

Mulherio: mulheres, em geral.

Óleo a bordo: obstáculo, dificuldade.

Onça: estar na onça (estar em dificuldade); Safa onça: (problema resolvido).

Pagar: servir alguma coisa ou arrumar faina para alguém.

Pata de elefante: hamburguer.

Patão: marinheiro que fica na faxina do fim de semana.

Pau-é-pau!: indica que o serviço deve ser dado na marca.

Pegou!: quando algo saiu errado.

Pega nada!: tudo safo, sem problemas.

Pega tudo, mas não pega nada!: tudo sob controle.

Pessoal: mulher bonita, atraente.

P. S.: problema social, dificuldade.

Picado: comida.

Pode ir: algo ou alguém dispensado, desagradável.

Quincas: marujo que não gosta de mulher.

Rancho: almoço, jantar.

Rebarbado: que questiona muito, que não pessoa difícil de se lidar.

Rebu na zona: tipo de cozido.

Remar: trabalhar, produzir, ser dedicado ao serviço.

Rolo de japona: confusão, geralmente administrativa.

Rosca fina: alguém que pressiona, que cobra o pronto. 

Safar-se: resolver seu problema.

Sandália de chinês: filé de peixe, frito.

Soco: gandaia, ir para o soco (divertimento).

Tocar barata voa: criar certas confusões de idéias; atrapalhar o curso normal de uma situação; desorganizar.

Tocar Marinha: fazer valer a sua antiguidade, mostrar-se superior.

Trocar de pau: inverter o dia de serviço.

Urubu!: azar, dane-se!

Velha guarda: militar antigo.

Vencer: ter direito a alguma coisa.

Vibrador: alguém com garra, com vontade.