Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

IZOTON - HUMOR

- Um blog de um brasileiro de Vila Velha-ES, elaborado em um Provedor português. Obrigado, Equipe SAPO! Este blog é feito com muito amor, e com muito humor. O meu lema: Viver a vida a sério, mas brincando. O meu objetivo: Fazer alguém sorrir.

IZOTON - HUMOR

- Um blog de um brasileiro de Vila Velha-ES, elaborado em um Provedor português. Obrigado, Equipe SAPO! Este blog é feito com muito amor, e com muito humor. O meu lema: Viver a vida a sério, mas brincando. O meu objetivo: Fazer alguém sorrir.

29.03.11

PIADA BEM ROMÂNTICA


izoton

 

MEU DOCINHO DE COCO

          Paulo estacionou o carro em frente a um restaurante de uma cidade do interior. Ele entrou no restaurante, e ali dentro ele viu um senhor de uns oitenta anos, sentado atrás de um balcão, e uma senhora, também de uns oitenta anos, recolhendo pratos e talheres de cima de uma mesa. Bem, como Paulo entrou ali para almoçar, ele dirigiu-se ao senhor de oitenta anos, e lhe disse:

          — Por favor, o senhor pode me servir uma refeição?

          O senhor de oitenta anos fez um gesto afirmativo com a cabeça, e dirigindo-se à senhora de oitenta anos, ele lhe disse:

          — Minha Adorável Flor da Primavera, traga uma refeição para este jovem!

          A senhora trouxe a refeição, e instantes depois Paulo disse ao senhor:

          — Por favor, traga-me um guaraná.

          O senhor olhou para a senhora, e lhe disse:

          — Razão do Meu Viver, traga um guaraná para o rapaz.

          Depois que Paulo terminou de almoçar ele pediu ao senhor que lhe trouxesse uma sobremesa. O senhor olhou para a senhora e lhe disse:

          — Doçura da Minha Vida, traga uma sobremesa para o jovem.

          Quando Paulo foi pagar a despesa, ele perguntou ao senhor:

          — Esta senhora é a sua esposa?

         — É sim, meu rapaz. Nós somos casados há sessenta anos.

          — Meus parabéns pelo modo tão carinhoso como o senhor trata a sua mulher. Afinal, depois de sessenta anos de casados, o senhor ainda a trata como minha Adorável Flor da Primavera, Razão do Meu Viver, Doçura da Minha Vida. Eu achei lindo esse seu romantismo!

          Então o senhor olhou bem para Paulo e lhe disse:

          — Romantismo coisa nenhuma, meu rapaz! O problema é que já faz mais de dez anos que eu esqueci o nome da minha mulher.