Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

IZOTON - HUMOR

- Um blog de um brasileiro de Vila Velha-ES, elaborado em um Provedor português. Obrigado, Equipe SAPO! Este blog é feito com muito amor, e com muito humor. O meu lema: Viver a vida a sério, mas brincando. O meu objetivo: Fazer alguém sorrir.

IZOTON - HUMOR

- Um blog de um brasileiro de Vila Velha-ES, elaborado em um Provedor português. Obrigado, Equipe SAPO! Este blog é feito com muito amor, e com muito humor. O meu lema: Viver a vida a sério, mas brincando. O meu objetivo: Fazer alguém sorrir.

31.10.15

PAIXÕES


izoton

DESENFREADAS

          Ronaldo tinha comprado dois ingressos, no melhor espaço do Estádio do Morumbi, para a final do Campeonato Paulista de Futebol, entre Santos e Corintians. Ele entrou no Estádio, e sentou-se no seu lugar, no meio da torcida do Corintians. O Estádio estava lotado, aguardando o inicio do jogo, quando um outro torcedor notou que o lugar ao lado dele estava vago, e perguntou se o assento estava ocupado. E Ronaldo lhe respondeu:

          — Não, não está ocupado.

          O outro torcedor, não entendendo o que estava ouvindo, disse-lhe:

          — Eu não acredito! Como que uma pessoa que tem um lugar como este, para a final do Campeonato, não o usa?

          Ronaldo olhou bem nos olhos do outro torcedor, e lhe respondeu:

          — Bem, para dizer a verdade, o lugar é meu. Na semana passada eu comprei dois ingressos, e a pobrezinha da minha esposa viria assistir comigo, pois nós sempre viemos juntos ao Estádio. Porém ela faleceu. Eu estou muito triste com isso, pois desde que nos casamos, há trinta e dois anos, é a primeira vez que assistirei uma final de Campeonato, sem ela estar comigo.

          O torcedor, comovido com aquela história, perguntou a Ronaldo:

          — E você não conseguiu trazer um amigo, ou um parente, que pudesse vir no lugar da sua esposa?

          Ronaldo negou com a cabeça, lentamente, e lhe respondeu, quase chorando:

          — Eu não consegui trazer ninguém, não, porque todos eles estão no velório dela...

27.10.15

PERGUNTAS


izoton

QUE NINGUÉM SABE RESPONDER

— Se ferradura dá sorte, então por que burro puxa carroça?

— O que aconteceria se em uma guerra os dois lados se rendessem ao mesmo tempo?

— O nome “Departamento Nacional de Marcas e Patentes” é uma marca registrada?

— Se as lojas dizem que ficam abertas 24 horas, então para que elas têm fechaduras nas portas?

— É possível organizar uma festa surpresa para um vidente?

— E você sabe quem foi que amassou o pé do pato?

— E por que a palavra “sinônimo” não tem sinônimo?

— Como se escreve zero em algarismos romanos?

— E por que a palavra “grande” é menor do que a palavra “pequeno”?

— E por que a palavra “verbo” é um substantivo?

— Será que o avião tem estepe?

— Por que a gente chama laranja de laranja, e não chama limão de verde?

— E você sabe quem foi que envernizou a asa da barata?

24.10.15

APENAS UMA QUESTÃO


izoton

DE HONESTIDADE

          Júlia, a mulher de Roberto, foi presa por furtar uma lata de figos, em um Supermercado, e por isso ela foi autuada em flagrante. Logo depois ela foi solta, e ficou em liberdade, até que fosse concluído o inquérito. Quando o processo chegou até o Tribunal, o Juiz perguntou a ela:

          — Dona, Júlia, a senhora declarou que furtou uma lata de figos. A senhora confirma isso?

          — Sim, Meritíssimo, eu furtei uma lata de figos.

          — E quantos figos tinham nesta lata que a senhora furtou?

          — Tinham doze figos, Meritíssimo.

          — Então, Dona Júlia, eu vou mandar prendê-la por doze dias. A sua pena é de um dia para cada figo que a senhora furtou.

          Nesse instante, antes que o Juiz terminasse a sua sentença, o marido de Dona Júlia levantou-se, e pediu ao Juiz que lhe permitisse que ele falasse sobre o que tinha acontecido com a sua esposa. Então o Juiz lhe disse:

          — Tudo bem, e o quê você tem a dizer sobre esse caso?

          E Roberto lhe disse:

          — Meritíssimo, Juiz além desta lata de figos, a minha mulher também furtou três latas de ervilhas, daquelas de um quilo cada uma...

Pág. 1/4